Entidades questionam cobrança de custas processuais

0
666

Representantes das forças de Segurança Pública do estado se reuniram nesta terça-feira,1, na sede da Associação dos Delegados de Polícia de Goiás para discutir o Ofício Circular nº 260/2020, do Tribunal de Justiça (TJ-GO), que instituiu a cobrança de custas processuais iniciais nas execuções de sentença de ações coletivas. A medida tem inviabilizado o acesso dos servidores públicos ao Judiciário para ingresso de ações de recebimento de valores que supostamente lhes são devidos.

A reunião contou com a presença da assessoria jurídica das entidades de classe e do procurador de Prerrogativas da OAB secção Goiás, Carlos Issy.

Sobre a legalidade da cobrança, foi ressaltado que o novo Código de Processo Civil veda a exigência, assim como a Súmula n.º 4 do TJ-GO, que proíbe a sua incidência. Na reunião, foi discutida também a desproporcionalidade das custas, haja vista que, para o ingresso da execução, deve ser emitida uma guia de custas iniciais, tal como se emite para ajuizamento de uma nova ação de conhecimento, sendo que o direito já foi discutido e o trâmite da execução é bem mais abreviado.

Foi deliberado que será instaurado, por parte da OAB, um processo administrativo perante o Tribunal de Justiça para tratar do tema, que também será levada ao Conselho Seccional para a viabilidade de propositura de demanda judicial, para a qual haverá a participação de todas as entidades de classe presentes.

Artigo anteriorPromoções de policiais civis são publicadas no Diário Oficial
Próximo artigoPoliciais da Decap prendem foragido da Polícia Civil do Maranhão

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here