Polícia Civil apreende adolescente suspeito de planejar ataque a escola de Pontalina

0
680

Policiais Civis de Pontalina cumpriram, nesta segunda-feira (18), mandado de busca e apreensão de um adolescente de 17 anos pela prática dos atos infracionais apologia ao crime e atos preparatórios de terrorismo. A Polícia Civil identificou provável ataque a uma escola de Pontalina, o que levou à realização de investigações no sentido de qualificar o adolescente e representar pela sua apreensão. O mandado foi expedido pela Juíza da Vara da Infância e Juventude da Comarca de Pontalina.

Foi cumprido ainda mandado de busca e apreensão na residência do adolescente, onde foram apreendidos uma capa, uma máscara, desenhos, um coturno, um arco e flechas. Foram apreendidas ainda arma de fogo e munições, as quais pertenciam ao pai do adolescente, que também foi autuado em flagrante.

O adolescente tinha planos de executar um massacre na escola onde estudava, e havia convidado um outro adolescente para ajudá-lo com o plano. Ele alegou que já sofreu bullying, que as pessoas vivem ‘num inferno’, e que ao matá-las ele livraria essas pessoas desse sofrimento.

Questionado se tinha medo da reprovação social após executar um plano dessa natureza, o adolescente alegou que não, pois se mataria logo em seguida à execução do massacre e que não sentiria remorso pelas mortes, pois também já estaria morto.

Durante sua oitiva, o adolescente afirmou que um massacre ideal é aquele que tem o maior número de vítimas e comparou o massacre de Suzano-SP ao massacre ocorrido em uma mesquita na Nova Zelândia. Ele afirmou que o massacre da mesquita foi ideal por conta do grande número de vítimas. Ele confirmou que durante o massacre que tinha plano de executar usaria a capa e a bota que foi apreendida.

O adolescente responderá a Auto de Investigação de Ato Infracional por apologia a crime e atos preparatórios de terrorismo.

O adolescente foi encaminhado para audiência de apresentação, que ocorreu no Fórum da Comarca de Pontalina, e em seguida recolhido em cela da Delegacia de Apuração a Atos Infracionais de Caldas Novas-GO, onde permanecerá internado provisoriamente, à disposição do Poder Judiciário.

Artigo anteriorPoliciais civis comemoram fim da subclasse de agentes e escrivães substitutos
Próximo artigoDia de Luta Contra a Discriminação Racial