Um policial morto em combate

0
624

A operação no Jacarezinho é considerada a mais letal da história do Rio de Janeiro. Foram 25 mortos. Entre eles, um policial civil baleado na cabeça. Se fala em operação mal sucedida pela quantidade de mortos, mas a hora é de lamentar a vida de um policial que saiu de casa para combater o crime. Para apreender armamento pesado, usado por bandidos da favela do Jacarezinho, uma das maiores e mais violentas da cidade do Rio de Janeiro.

Os policiais dessa fatídica operação não deixaram a família em casa para matar pessoas de bem pelo prazer. Eles foram cumprir mandados de prisão expedidos pela justiça depois de trabalho de inteligência que identificou integrantes de quadrilha que intimidavam moradores. A favela do Jacarezinho é quartel general do Comando Vermelho, facção criminosa ligada ao tráfico de drogas. 

A mídia questiona o descumprimento de decisão do STF que proíbe operação em favelas do Rio durante a pandemia. A mesma decisão já permite a intervenção policial em “hipóteses absolutamente excepcionais” e para isso é preciso comunicar o Ministério Público. Isso foi feito. Um arsenal de guerra foi apreendido: fuzis, pistolas, granadas, coletes balísticos, roupas camufladas e todo tipo de acessórios militares

Toda operação policial tem um potencial de risco. A expectativa de todos os profissionais envolvidos é de que não haja confronto, porque existe a possibilidade sim de um agente do estado ser a vítima. Foi o que aconteceu. Uma tragédia que fugiu completamente do controle de todos.

Diariamente são realizadas diversas operações em todo o Brasil, e na imensa maioria delas não há nenhum disparo de arma de fogo. A sociedade precisa entender que o trabalho feito por policiais é resultado de um extenso trabalho de estratégia e treinamento. Os profissionais estão ali para cumprir sua missão e preservar a vida de todos os envolvidos. Finais trágicos como a que vimos no Rio de Janeiro só acontecem quando há uma resistência por parte de criminosos. É preciso confiar no comprometimento e profissionalismo de homens e mulheres que arriscam a própria vida em prol de toda uma sociedade. 

Artigo anteriorO Sinpol comemora o fim da primeira fase de vacinação de policiais civis
Próximo artigoMulheres são presas suspeitas de participarem de homicídio

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here